Caminho Português / Finisterra 2011 (Múxia) - Outubro 2011

#22
Tenho que afinar bem as pernas e olear a bike eheheh

Se alguém poder disponibilizar o caminho em track GPS, agradecia. Não é ideia de usar o GPS como guia, seria mais como backup.

Sempre vou levar e vou (sou geocacher ;) )

Obrigado
 
#26
Boas,

Para que dia é a partida?

Pode ser que nos cruzamos pelo caminho... irei sair do 5 de Outubro com mais 3 colegas mas só até Santiago.....

Iremos fazer com as seguintes paragens:
Porto - P. Lima;
P. Lima - Porrino;
Porrino - Padron;
Padron - Santiago.

Se não se proporcionar o encontro, votos de um excelente caminho e pela grande aventura!

Se precisarem de alguma coisa, é do dizer.

Boas pedaladas,
 
#27
Boas norbertocosta
Boas,

Para que dia é a partida?

Pode ser que nos cruzamos pelo caminho... irei sair do 5 de Outubro com mais 3 colegas mas só até Santiago.....

Iremos fazer com as seguintes paragens:
Porto - P. Lima;
P. Lima - Porrino;
Porrino - Padron;
Padron - Santiago.

Se não se proporcionar o encontro, votos de um excelente caminho e pela grande aventura!

Se precisarem de alguma coisa, é do dizer.

Boas pedaladas,
Partimos do Porto no dia 03 Outubro, e esperamos chegar a Finisterra com passagem por Múxia no dia 08 Outubro.

bon camino
 
#28
Boa iniciativa, ja andava há algum tempo a magicar uma aventura destas, só que nas datas em que vão não me dá. Mas inspiraram-me e farei a peregrinação aindaeste ano. Fico a aguarda a reportagem.
Já agora gostava de saber como planeiam vir de Finisterra para casa?

Ultreia ... bom camiño
 
#30
Olá a todos!

Em 1º lugar quero agradecer ao dragaozinhobtt pela dedicatória aqui no forúm!

Em 2º lugar quero deixar aqui uma palavra pela realização deste caminho! Inesquecível! - O caminho passa mesmo por nós, acreditem!

Por último se os autores deste post permitirem, vou tomar a liberdade de deixar aqui a minha foto-report do caminho...

https://picasaweb.google.com/114468494012986953343/Santiago

Um abraço a todos e até ao próximo camiño...
Norberto Costa
 
#31
Boas norbertocosta

Por último se os autores deste post permitirem, vou tomar a liberdade de deixar aqui a minha foto-report do caminho...
Claro que sim, torna este post mais rico e a minha é logo a seguir, só um pequeno arranjo no álbum e também publico.
 
Last edited:
#32
Boas companheiros do pedal,
Aqui deixo-vos um pouco do que se passou nestes dias a caminho de Finisterra, pois era esse o meu principal objectivo mas por Múxia.

1ª Etapa - Porto a Barcelos
Boas, companheiros do Pedal
Domingo - 02 de Outubro de 2011, eu e o Beto fomos no último comboio de Lisboa para a cidade Invicta. Mal que chegámos fomos logo montar as nossas máquinas, mas deparamos com um pequeno problema, é que a estação iria fechar e tínhamos que ir para outro lugar.
Existe lugar mais seguro que a esquadra da policia? Foi isso que pensei e logo rumámos à descoberta da dita esquadra. Ao encontrá-la, fui falar com o agente de serviço. O primeiro carimbo nas nossas credencias foi deles, não faziam a mínima ideia da existência da credencial mas ao menos, já tinham ouvido falar nos caminhos de Santiago. Às 07horas tínhamos de estar na estação de São Bento, para conhecer os outros membros de viagem, foi uma aventura e tanto, mas valeu a pena.
Apresentações à parte, metemos-nos a caminho de Barcelos, que seria a primeira etapa. Só eu e o Beto é que sabíamos como andávamos e era uma incógnita o andamento do Chico e do Filipe.
Perdemos imenso tempo porque alguém se esqueceu do saco-cama em Lisboa, EU! Fomos a uma Sportzone e logo ficou resolvido o problema.
Esta primeira etapa serviu mais para testar as nossas bikes com os alforges e ver como é que o grupo andava.

A Etapa seguinte seria mais dura e no meio tinha a temida e famosa subida da Labruja, com destino final Valença do Minho.
Aqui estão as fotos desta primeira etapa: - https://picasaweb.google.com/100669123886107120391/1Etapa?authuser=0&feat=directlink
 
Last edited:
#33
Continuação

2ª Etapa - Barcelos a Valença do Minho
Bem, a 2ª etapa seria mais dura... Saímos de Barcelos por volta das 08horas, já com o grande pequeno-almoço na barriga, e tínhamos tomado uma decisão: ir de Barcelos, passar por Ponte de Lima, enfrentar a temível Labruja e rolar por Rubiães até Valença do Minho.
No inicio do caminho apanhámos alguma estrada, como era de esperar, mas logo entrámos em trilhos já com sinaléticas do caminho de Santiago. Para contentamento de alguns, estávamos oficialmente a fazer o dito caminho. Efectuámos algumas paragens para as fotos da praxe, e rápido chegámos à Vila de Ponte de Lima, Vila essa com uma arquitectura medieval e banhada pelo rio Lima. Fizemos algumas paragens, posámos junto aos legionários lá "acampados" e fomos tomar um suminho de cevada junto ao Albergue dos Peregrinos. Desgraçados os que chegassem mais cedo, só podiam entrar depois das 17horas.
Retomámos o caminho e, ao avistarmos a tabuleta do Rio Labruja, sabíamos que estaríamos perto da famosa subida. Ao passar por baixo da autoestrada tivemos um cheirinho daquilo que nos esperava, uma subidinha um pouco íngreme que, com a temperatura alta que já se instalava, também não ajudava muito. Entretanto, chegámos a uma mercearia conhecida por ser o único local antes de se dar inicio à dita subida. Ao princípio, julgo que todos nós pensávamos que a subida era contínua e longa, mas nunca me passou pela cabeça que fosse tão difícil, e com um erro primário como não encher o camelbak por completo, fiquei sem fôlego no meio da subida e com muita sede. Ao chegar ao cruzeiro, pensámos que já tínhamos acabado com o martírio mas enganamo-nos redondamente porque ainda havia a outra metade. Ao superar esta longa subida tivemos a recompensa de uma vista espectacular e de um tanque que transbordava água fresquinha, descoberto pelo Beto, junto do qual havia uma maceira, que bem que soube. Depois vinha a bonança, pensávamos nós, mas seguiu-se uma bela descida com algum grau de dificuldade. O Chico teve o primeiro furo do caminho e o Filipe quase que perdeu o saco-cama.
Um dos principais objectivos desta etapa era chegar primeiro que o último elemento da viagem, que se ia juntar a nós em Valença, a Diana. A Diana veio a revelar-se uma surpresa nas descidas, se quiserem dar-lhe uma bike de downhill, ela manda-se sem pensar, insane!
Agora sim, o grupo estava completo...
Fotos: - https://picasaweb.google.com/100669123886107120391/2Etapa?authuser=0&feat=directlink

continua
 
Last edited:
#34
Caro Ricast !
Esse é um dos projectos que também quero realizar ! Gostaria de te pedir se após a conclusão da viagem, poderás dar umas dicas sobre percurso e alojamentos etc..para mais tarde poder pedalar até Santiago.
Boas pedaladas.
 
Last edited:
#35
Boas amigo,

Como tencionas vir embora de Finisterra ? Transporte público ?!
Estou a pensar fazer o mesmo e gostava de saber como vais fazer!
Boa sorte pá aventura!

Cumps
 
#36
Boas caro Carriço e Pontes,
O caminho já foi realizado e com sucesso, posso ajudar-vos com todos as questões. Em Finisterra tens autocarros que te trazem de volta a Santiago, não te sei precisar os horários mas no Albergue municipal tens lá os horários. Em Santiago tens o Seminário menor que serve de Albergue, e mesmo que já tenhas terminado a peregrinação podes lá dormitar, as camaratas o preço é de 10€, e quartos individuais é de 15€.
Em relação às crónicas, ainda estou a escreve-las no meu blog, mal que estejam prontas, ponho-as aqui.
 
#37
Continuação

3ª Etapa - Valença a Pontevedra
Boas!
Neste 3º dia tínhamos uma das etapas mais difíceis, havia muita subida e trilhos que necessitavam alguma perícia para transpô-los e o desgaste da etapa anterior não ajudava nada. Agora que o grupo estava completo, e eu estava curiosíssimo com o andamento nossa amiga! (Fiquei boquiaberto, a descer não pensa, desce!! :) )

Levantámo-nos cedo para não se notar a diferença horária (+1h) e reforçamo-nos bem antes de abandonar terras lusas e entrar em território espanhol. Logo ao passar a Ponte que separa Valença de Tuí tivemos uma boa subida que nos levava à catedral de Tuí. Já se notava bem a diferença no caminho, a sinalética não era tão boa como a do caminho em Portugal, mas deixando as idiotices de patriotismo, todo o caminho é importante, tanto num lado ou noutro, whatever.

Ao entrar numa zona de vinhais, o Beto tem o primeiro problema técnico da sua conta pessoal: um furo no pneu de trás, o que nos obrigou ir à procura de uma loja-Oficina de bikes para reparar esse grande problema. Ao entrarmos em Porriño, o Beto encontrou a nossa salvação - Tramo Libre. Digo "nossa" porque eu e o Filipe também precisámos de afinar as mudanças. Foi essencial esta paragem e era impossível prosseguir com as bikes naquele estado.

Câmaras de ar compradas, bikes afinadas e prontas para continuar a rolar. A subida dos caballeros estava à nossa espera em Mós e moeu mesmo... a todos! Depois de subir tudo o que havia para subir, mais uma foto da praxe e veio a bonança, mais uma bela descida que me fez gastar as pastilhas de trás.

Ao chegar a Redondela, estávamos famintos e logo nos instalámos numa esplanada à frente do albergue do peregrino. Mais uma vez, encontramos outro grupo de peregrinos e para nosso espanto, eram todos tugas, tudo do distrito do Porto, dos quais se destacaram a menina dos Likes e o Shrek.

Prosseguindo com a nossa viagem e desejando um bom caminho, começámos, para não estranhar, a subir! Quando entrámos em zona de terra, esperava-nos uma longa e bela descida até à Nacional. No meio do trilho havia uma armação de madeira com uma dezenas de vieiras presas em cordas, fez-me lembrar uma teia de aranha, onde as presas eram as vieiras, e com imensas mensagens escritas na madeira. Um monumento único e em homenagem aos milhares de peregrinos que correm este caminho.

Ao percorrer um par de quilómetros, chegámos por fim à Ponte de Sampaio, imagem escolhida por mim para ficar no fundo do nosso dorsal, e foi tirada a foto da praxe. Continuando, entrámos num dos trilhos mais técnicos do caminho, a calçada romana. Foi duro, mas chegámos lá acima com uma enorme satisfação de mais uma conquista.

Ao chegar a Pontevedra, tinha uma preocupação em mente, o Albergue. É que em Espanha, o peregrino que vai a pé tem prioridade sobre quem vai de bicicleta, e ao chegar ao dito albergue fiquei preocupado, mas foi só falso alarme. A senhora que nos atendeu disse para esperar um pouco e fez-nos logo o registo e fiquei muito mais calmo.

Enfim podemos finalmente arrumar as coisas, tomar um bom banho e passear um pouco pela bela cidade de Pontevedra, escolher o local ideal para jantar e desfrutar a companhia dos elementos do pedal.
https://picasaweb.google.com/100669123886107120391/3Etapa?authuser=0&feat=directlink
 
#40
Boas cgbastos, desejo-te um óptimo caminho... ...já agora que etapas é que vais fazer?
Boas Pontes, a única maneira de trazer a bike de finisterra, se for transporte público é mesmo o autocarro, demora é imenso tempo a chegar a Santiago, mas de Santiago para Portugal, só tens mesmo o comboio, não há mais nenhuma alternativa, é pena mas é a verdade.

Cumprimentos