Viper TR 450 (2015)

JARBAS83

Active Member
Bike com 9250kms.

Mantem-se a situação do último post. Parece-me que a k7 original vai passar os 10k kms!!!
Estou a pensar em falar lá na loja sobre preços para revisionar a minha suspa...xc30 a mola...nunca teve klk manutenção e nota-se, em especial numa prova...está bastante presa.

Aos 10k kms faço uma análise geral à jinga.
 

JARBAS83

Active Member
Bike com 10.010 kms. Segue uma análise à mesma. As specs estão no 1º post. Do material de origem, só troquei pastilhas pneus e correntes. Mudei o eixo pedaleiro porque já tinha alguma folga e o cepo que avariou.

Quadro: talvez por ser um quadro XL e o rider (eu) pesar cerca de 85kg, sinto que o quadro é bastante reactivo e absorvente. Estou satisfeito com ele a nível de desempenho. Talvez não seja o mais leve nem apelativo a nível estético, não tem acabamento com verniz nem nada mas cumpre no mais importante. Dou-lhe 8/10

Rodas: não tenho muito a dizer, são marca branca, mas nunca me deram problemas. Dou 10/10

Transmissão: a típica 2x10 de à uns anos atrás, dá para subir tudo, embora um carreto 40 atrás vez por outra faça falta. Ainda tenho montado na bike todo o material original, à excepção da corrente. Desviador traseiro XT, fluido e eficaz. Desviador frt SLX irrepreensível, só o afinei uma vez. Pedaleira Deore 24-38 nunca deu problemas, mudei o eixo à uns quantos kms porque tinha folga ligeira. Shifters Deore RapidFire super-eficazes. k7 Deore 11-36 ainda roda a de origem e ainda deve aguentar uns 4k kms...só a desmontei uma vez para limpar, leva umas mangueiradas de vez em quando, e lubrifico com regularidade. Dou 9/10

Travões: os Shimano BR-447 são de gama baixa mas funcionam na perfeição. Tenho tudo de origem à excepção das pastilhas. Nunca precisei de os sangrar. O disco trs está nas lonas. Cumprem bem mas em esforço prolongado, perdem eficiência. Como o conjunto rider+bike anda nos 100kgs, quando desço uma serra com descidas longas e acentuadas, eles tornam-se perigosos, pois perdem eficácia. O disco trs nas lonas também não ajuda mas isso não explica tudo. Em esforço, são fracos. Para voltinhas e passeios soft, cumprem a 100%. Dou-lhes 6/10

Suspensão: deixei o pior para o fim. A suspa XC30 RL (mola) é muito fraquinha. Dou conta em passeios/provas, quando saio do alcatrão e entro no paralelo ou em piso de terra irregular, a suspa não absorve corretamente as irregularidades do terreno e isso abranda logo a bike, ao passo que os outros riders continuam a manter o embalo que traziam mesmo com buracos e irregularidades no terreno, devido à eficiência de suspas de gama superior. É verdade que só a revisionei uma vez, à cerca de 500kms atrás, mas isso não ajudou muito. Passou de um estado mau para um estado fraco. Dou-lhe 3/10

Conclusão: comprei uma bike low-cost, claramente under 1000€, mas para pequenas voltas e passeios, até os 30/35kms, serve perfeitamente. Para passeios e provas mais longas e técnicas, os travões fracos e a suspensão pesada e pouco eficaz penalizam. Boa transmissão, quadro e rodas eficazes vão compensando...no geral dou-lhe 7,2/10 (média da pontuação acima)

 
Ontem foi dia de revisionar o sistema de travagem da bike. A bike leva 10200kms

Frente: Pastilhas novas
Trs: Pastilhas novas + disco (que ainda era o de origem, mas tinha muito calo)

As pastilhas atrás estavam completamente vidradas. Estou na dúvida se isso foi causado pela fraca qualidade das mesmas (comprei-as no ebay por...1€:eek::p) ou se foi provocado pelo sobreaquecimento que o disco sofreu à uns meses numa prova, devido ao calo que já tinha (o pessoal que vinha atrás de mim queixava-se do cheiro a queimado) Voltei a meter pastilhas novas made in china atrás e à frente mas vou estar atento...se vir que recomeça o problema, chuto para canto essas chinesices.

Entretanto, ao efetuar a troca do disco, reparei que o desviador estava meio solto, com folga. Os parafusos do dropout estavam desapertados. Reapertei e, possivelmente, terei evitado um grande problema caso eles desapertassem por completo a meio de uma volta longe de casa...

 
Os parafusos do dropout estavam desapertados. Reapertei e, possivelmente, terei evitado um grande problema caso eles desapertassem por completo a meio de uma volta longe de casa...
Já me aconteceu... Num trilho dei uma queda... e nessa queda, causada pelo desaperto do dropout ( perdi um dos parafusos, a roda de tras ia saindo e a torcendo tudo... a tempo vi o que se tinha passado... foi logo no km9 de uma prova... reapertei com cuidado o parafuso restante , meti tudo no sitio e voltei para tras por estrada.... Grande tourada!!! :(

Olha lá isso merecia uns pedais de encaixe, não!!?
 
Ganda cena!

Sim, tenho os pedais de encaixe Shimano 520 mas ainda não me habituei a eles. Vou desafinar a mola ao minimo e voltar a experimentar pois já malhei várias vezes à conta dos SH 51. Caso não me adapte, compro os cleats SH56, que despertam mais facilmente...
 
Ganda cena!

Sim, tenho os pedais de encaixe Shimano 520 mas ainda não me habituei a eles. Vou desafinar a mola ao minimo e voltar a experimentar pois já malhei várias vezes à conta dos SH 51. Caso não me adapte, compro os cleats SH56, que despertam mais facilmente...
Mete as molas, em ambos os lados de cada pedal!!!, no minimo. os 51 chega bem... só tens de te lembrar.
 
Pode parecer estranho, mas é mais fácil o pé desencaixar com mais força na mola do que com menos.
A partir de um certo ponto a travessa (cleat) é empurrada para fora pela mola, e o pé sai com maior facilidade.
Usar os pedais com a força no mínimo é comum aos iniciados, mas nem sempre é a melhor opção. Uso os meus ligeiramente à menos de meio da regulação.

Usei as SH56 uma vez por engano e achei-as perigosas, o pé salta ao mais pequeno movimento.
 
Eu não uso as molas no minimo.. foi só para ajudar o JARBAS83... Aliás eu nunca usei molas no minimo, nem no inicio. Tembem uso a tensão ligeiramente abaixo do meio. deppois vai-se ajustando, com as consequencias do desgaste/ fadiga do material
 
Pode parecer estranho, mas é mais fácil o pé desencaixar com mais força na mola do que com menos.
A partir de um certo ponto a travessa (cleat) é empurrada para fora pela mola, e o pé sai com maior facilidade.
Usar os pedais com a força no mínimo é comum aos iniciados, mas nem sempre é a melhor opção. Uso os meus ligeiramente à menos de meio da regulação.

Usei as SH56 uma vez por engano e achei-as perigosas, o pé salta ao mais pequeno movimento.
Basta apertar mais as molas. Nunca cai parado com os SH56.