Vantagens do carbono em relação ao alumínio

Ludos

Benevolent dictator for life
#21
Eu não tenho culpa que andem por aí, certas e determinadas pessoas ( : lol: ) a escreverem certas e determinadas coisas, com o intuito de caluniar e enganar certas e determinadas pessoas que lêm...

Só quero ainda dizer em minha defesa que se eu mal jantava em S. Brás era por estar exausto e não por estar com dores nas costas.

Já certas e determinadas pessoas que por aqui andam a caluniar, levaram uma sova de pedra na barragem do roxo na maratona do penedo porque efectivamente apesar de o titanio ser flexível, não é tão flexivel como o amortecedor da minha jinga.

Bem ja chega de off-topic e de bocas foleiras de FS Vs HT.

Um grande abraço.

Rui, deixa-te de cenas, arranja t€mpo e compra a Merida man...
 
#22
Ops...isto era discutir Aluminio VS Carbono....

A mim parece-me k o material n deverá ser muito diferente na rigidez, excepção feito ao titânio k é comprovadamente mais absorvente nos pequenos impactos...

O carbono tem o problema de ser mais complicado de "soldar" no caso de um azar....tem a vantagem do peso.
Se fôr pelo conforto, penso k a escolha deverá entre suspensão total ou uma em titânio ou porque não juntar as duas???

.. talvez uma Seven Duo... :D

Cumps
 
#23
re

Boas!

O motivo que levam o Ruitere a ponderar a troca de quadro HT por um FS são os mesmos que me levaram a mim a trocar também.....
No ano passado cheguei ao fim de Mafra com as costas rebentadas, em PTG mais ou menos, este ano quando participar em alguma maratona ou passeio de longa kilometragem já vos digo se realmente é compensador o conforto de um amortecedor atrás em detrimento dos 2 ou 3 kg´s a menos a minha antiga FS....
Nas duas voltas experimentais que dei c\ a bicla não deu obviamente para entender se dá ou não para doer as costas, mas pelo menos fiquei mto satisfeito com a posição de condução obtida assim como a geometria do quadro que me parece ter um bom compromisso de conforto\ maneabilidade...

Por isso Rui, se gostas dessa Merida e tens graveto pra ela....vai-te a eles! E vais ver que os prós serão mais que os contras em relação á tua actual HT...isrto numa utilização como a que pretendes dar....se fosse para os prós a minha opinião seria diferente :-D

Cumps

Castroma
 
#24
Vou-vos contar o segredo para não doer mais as costas.... :lol:
Se andarem mais tempo em pé na bike já não sofre tanto as costas..hein??perceberam? ah até tem 2 vantagens....aleija menos o Rabo..para alguns :lol:

abraços

Pluma
 
#25
Cada kal sabe akilo k vai fazer com a bike, eu pessoalmente acho uma redundancia fazer um kadro de suspensão total em carbono, cromo, ou titaneo, pelo contrario acho mto acertado fazelos em scandium.

Argumentos:

Os materiais mais rigidos utilizaveis para fazer bicicletas tornam-nas mais desconfortaveis, mas simultaneamente mais eficazes, em igualdade de soluções, a nivel de geometrias, no entanto se temos um elemento elastico e amortecedor para absorver os impactos a utilização dos mesmos permite um maior rendimento mecanico e um menor peso.

Os materiais mais absorventes ou flexiveis são pouco eficazes num quadro de bicicleta, portanto só devem ser considerados para fabricar máquinas com preocupações no tocante ao aspecto de conforto.

A fibra de carbono junta quando bem trabalhada o melhor de 2 mundos, por ser uma estrutura manipulada macroscopicamente pode ser "programada" para flectir num sentido e ser rigida noutro, isso faz com k seja actualmente a matéria de eleição para os fabricates de kadros para bicicleta, caso todos esses fabricantes tivessem de facto o know how para fazer um bom uso desse material teriamos efectivamente a solução ideal, excepto no peso, como tb é possivel aproveitar a rigidez das estruturas em carbono para alcansar baixos pesos o caminho k está a ser seguido pelos fabricamtes é mtas das vezes o mais facil: fazer kuadros leves.

Parater de facto um quadro eficaz e leve, bem como confortavel a solução passará no futuro pela "programação" das zonas de absorção nos quadros, utilizando materiais diversos conforme as solicitações da região estrural do quadro, como essa tecnologia ainda implica um aumento considerável de peso nas rigidas considero a solução ideal a compra de um quadro tradicional rigido de qualidade para cross em aluminio de alta qualidade, se for um quadro para passeio o titaneo ou o cromo levam a melhor, se for para ajudar ao desenvolvimento da tecnologia e para mostrar aos amigos o carbono passa a ser a opção certa.

No caso das suspensões totais o aluminio ou o scandium, k é na mesma um tipo de aluminio, no braço trazeiro são a opção natural, no triangulo dianteiro os mesmos materiais são indicados, no entanto espero a chegada do magnésio ao mercado nessa vertente para k os pesos baixos aliados à eficácia ganhem a posição k eu acredito seja a natural na metade dianteira dos kadros de suspensão total.

Daki a uns anos estaremos a falar disto outra vez mas trocaremos alguns materiais, um nome a reter para futura referencia será o boron, metal muito promissor para o nosso ramo, pena k o desenvolvimento de ligas baseadas nesse composto quimico esteja tão atrasado.
 
#26
Mário, gostei.

Por acaso o quadro para o qual estou inclinado :?: :?: tem o triângulo traseiro em alumínio e o dianteiro em carbono. (Merida Mission C)
Claro que uma outra opção será a aquisição de um quadro em alumínio.
Todas as opções serão ponderadas, inclusive manter o actual rígido em alu, Agora nenhuma delas terá em conta o mostrar aos amigos, isso nunca foi política minha, pois quem gasta os €€ e quem usufrui sou eu.
Uma outra opção será um em scadium, Mondraker mr85, por exemplo, mas tenho ouvido uma opiniões duvidosas.
Obrigado e um abraço.
Rui
 
#27
O carbono nao e mais utilizado principalmente devido ao custo do processo e nao do material em si.
As ferramentas de producao (moldes) sao muito caras e como a procura e muito baixa, por desconfianca do mercado ou outra razao qualquer, essas ferramentas tornam-se dificeis de amortizar nos custos,
logo os quadros sao carrissimos.
A titulo de comparacao, no windsurf por exemplo o carbono ja e usado a muitos anos e o preco das pranchas nao e muito elevado devido aos
volumes produzidos.
O peso dum quadro em carbono menor que um quadro em aluminio ou scandium, por exemplo o SCOTT SCALE (carbono) pesa menos de 1kg(970g), o SCOTT TEAM ISSUE (Scandium) pesa 1170g.
O ponto fraco do carbono sera a sua fragilidade ao impacto, mas se aliado a outras fibras (eg:Kevlar) torna-se menos vulneravel.
Os quadros em carbono ainda teem muito para evoluir.

Boas pedaladas