Suporte de bicicletas para automóvel

#2
eu tenho barras de tejadilho da NORAUTO e os suportes bike da THULE-- mas da montblanc também são bons. depois tens diversos modelos.
Tens de ser mais especifico.
de qualquer maneira aqui no forum tens topicos nesta categoria sobre o assunto, pesquisa antes.
 
Last edited:
#7
eu tenho THULE 532 (freerider),raramente utilizo , mas na minha bike de carbono nao vejo problemas.
Pois acabo por preferir meter a bike inteira no carro, ou se necessário remover a roda da frente...
 
Last edited:
#9
Essas ThruRider 565.. era complicado pois não tem adaptador para lefty ;) Opá a bike é de 2015, está já toda riscada, algumas estaladelas na pintura das pedradas.. e tem pelicula de protecção.... as mariquisses já se foram há muito ;) Desde que o aperto seja com conta e medida, não vai estragar.
 
Last edited:
#11
O carbono é frágil ao ser apertado lateralmente. Se apertares com muita força ele racha.

Ainda assim, quando a única bicicleta de carbono que tinha era de estrada, eu usava o 591 com uma câmara de ar cortada enrolada na bicicleta.
Quando comprei a BTT de carbono (que tem um tubo de baixo larguíssimo), tive de comprar o 565, porque o 591 não abraçava o quadro como deve ser.
 
#12
O carbono é frágil ao ser apertado lateralmente. Se apertares com muita força ele racha.

Ainda assim, quando a única bicicleta de carbono que tinha era de estrada, eu usava o 591 com uma câmara de ar cortada enrolada na bicicleta.
Quando comprei a BTT de carbono (que tem um tubo de baixo larguíssimo), tive de comprar o 565, porque o 591 não abraçava o quadro como deve ser.
Obrigado pela resposta! ;)
 

m.r.f.

Active Member
#13
O carbono é frágil ao ser apertado lateralmente. Se apertares com muita força ele racha.

Ainda assim, quando a única bicicleta de carbono que tinha era de estrada, eu usava o 591 com uma câmara de ar cortada enrolada na bicicleta.
Quando comprei a BTT de carbono (que tem um tubo de baixo larguíssimo), tive de comprar o 565, porque o 591 não abraçava o quadro como deve ser.
Já é a 3ª bike de carbono e sempre usei sem câmeras de ar.
O Proride 591 onde aperta nem é nas laterais, mas sim em cima e em baixo e aquila é de borracha.
Aposto que ninguém consegue rachar um quadro de carbono a apertar o Proride 591 à mão.
As viagens que faço são do Porto a uma aldeia de Chave, 180 km para cada lado, desde 2013 uma média por mês.