Qüer CXR 4 - Lucard

#1
Ora, depois de esperar algum tempo lá arranjei disponibilidade para fazer o DB, da minha menina.

Como sabem, tudo começou quando fui à sport zone e vi uma promoção de 50% numa Bicla de 600€. Sob recomendação e consulta em artigos do forum fiquei decidido pela RR 580, mas era branca e eu não gostava do aspeto e andava muito indeciso. Foi quando vi um colega BTTista a falar de uma orba, cujo nome me falha. Tendo eu um vendedor Orbea conhecido desloquei-me às suas instalações para pedir preços e ouvir a opinião dele.

Foi quando ele me disse que já não vendia mais Orbea por problemas de garantia por parte da marca e então recomendou-me esta Qüer, mais barata e equivalentemente equipada. Foi amor à primeira vista, é bonita, preta (como eu adoro) com uns azuis (podia vir toda preta mas acho o azul bastante bonito até).

Dada a primeira volta, senti-me todo partido, dores nos pulsos enormes... Tive de parar e tentar resolver o problema... Depois das recomendações (que irei mais tarde publicar, quando estiver no PC) lá consegui resolver mais ou menos o problema.

Hoje decidi aproveitar o rico sol, apesar de ter dormido pouco e mal, fui dar uma volta a ritmo de turista, à redescoberta dos trilhos que conhecia à uns anos atrás. Tudo funciona bem, tirando um tac tac que vem do selim, deve estar mal apertado. Excepto os trilhos, dos 3 que fui, 1 deles já tinha sido devolvido à natureza e o outro a mão humana fez questão de barrar passagem, num local de bastante lama e... URTIGAS!!! Pois bem, dada a minha volta (que mais tarde irei publicar) 19 klms sensívelmente, depois de tirar lodo da bicla e de tomar uma banhoca... deparo-me com um ardor na canela, depois de analisar a situação... URTIGAS DO INFERNO... Logo me aprontei e coloquei um pouco de creme e antes de deitar, coloco o spray maravilha.

Deixo aqui umas fotos que tirei quando fiz uma pausa para analisar o GPS e localizar-me.



 
Last edited:

SeteGu

Active Member
#2
Estando Viseu numa zona montanhosa certamente trilhos não faltarão mas se esse já está fechado podes-te sempre abri-lo de novo.

É fazer os pequenos ajustes e depois pensar na conversão para tubeless (pelo menos líquido anti-furo é altamente recomendável) e eventualmente nuns pedais de encaixe.

Boas descidas!
 
#3
Os pedais de encaixe já ando de olho nisso, talvez no mês que vem. Em relação a tubeless, por acaso ando a ler artigos para converter, mas como não tenho compressor, e como não quero usar CO2, ainda está em stand by.

O caminho fechado por mão humana, não vou mexer, não sei qual o motivo de ter sido criado a barricada, pode ser por algum motivo de segurança. O outro, que foi devolvido à natureza, há um alternativo perto, que acaba por dar o mesmo lado, talvez por isso que deixou de ser usado.

Com tempo vou ver se pesquiso e faço o mesmo de hoje, vou à descoberta.

Quando falaste no tubeless, fiquei a pensar se não terei furado o pneu traseiro nas silvas. Vou esperar que não :)
 

SeteGu

Active Member
#4
Naturalmente que não me referia ao fechado por ação humana. :)

O liquido anti-furo resolve quase tudo... só não evita que as câmaras de ar se possam trilhar (nesse aspeto o tubeless é uma vantagem).
 
#6
Vou aproveitar alguns posts do meu tópico antigo para ficar tudo direitinho neste.

Visto que tive inicialmente um problema com dores de pulsos/dormências. A primeira sugestão foi feita pelo User "filourenco"
[video=youtube;0sBGSU4Xw-s]https://www.youtube.com/watch?time_continue=4&v=0sBGSU4Xw-s[/video]

O colega "Nozes" apontou para a seguinte situação "As dormências vêem quase sempre da má posição na condução da bike,é muito comum a malta iniciada andar com os braços esticados,com os cotovelos trancados. Assim pulsos,braços e costas levam toda a porrada,desde vibrações aos impactos maiores.
Os braços devem estar sempre ligeiramente flectidos,eles e as pernas são as suspensões mais importantes na bike."



Depois dos manípulos ajustados e o problema ainda não resolvido, foi a vez do colega "Joseelias" dar a sua ajuda nesta matéria.

Para além do que o Nozes referiu sobre a necessidade da flexão dos braços, há outra questão relativamente às mãos que é a posição do guiador. Os guiadores têm inclinação para trás e para cima, embora nos planos isso seja menos pronunciado.

Pode acontecer que o ângulo em que o guiador está montado não seja o mais correcto para a tua anatomia sendo necessário rodá-lo para a frente (mais inclinação vertical - upsweep; e menos inclinação para trás - backsweep). Ou o inverso, rodando para trás e ficas com menos elevação e mais inclinação para trás. Também tive problemas com dormências há algum tempo atrás e uma das coisas que me ajudou bastante foi mexer com a rotação do guiador. Põe-te em cima da bicicleta e vê de que forma as tuas mãos assentam. se tiverem um ângulo muito diferente da inclinação do guiador experimenta rodar este de forma a que a inclinação para trás fique mais próxima do ângulo das tuas mãos.

Há outra questão que referiste atrás sobre teres puxando o selim para trás para tirares peso das mãos. Na verdade, isso fez colocar mais peso nas mãos. Quanto mais deitado for o teu tronco mais vai depender dos braços e das mãos para não caíres para a frente. Daí as a bicicletas de passeio terem uma posição de condução tão vertical. Perdem em rendimento mas ganham em conforto pois vai-se quase sentado como se se estivesse sentado numa cadeira.

Por último, o hábito é muito importante nestas questões, mesmo em quem têm experiência mas muda de bicicleta e como tal tem que se habituar a uma nova geometria e posição de condução.

Aqui vão duas imagens sobre o guiador. Na segunda imagem toma em consideração que no teu caso até podes ter que reduzir a inclinação para trás do guiador. Vê no entanto como é que as tuas mãos assentam e que tipo de desalinhamento há, para colocar mais ou menos inclinação para trás.






O SeteGu recomendou a utilização de um guiador com mais recuo (back sweep)


Novamente o joseelias deu uma ajuda

"Se rodares o guiador para trás vais ficar com mais inclinação para trás (backsweep) e poderás aproximar-te da posição da segunda imagem do pulso. Isso terá outra vantagem que é encurtar a distância do guiador ao selim o que pode ajudar a que consigas flectir um pouco mais os cotovelos. Se aproximares mais o selim ainda podes flectir mais os cotovelos, mas convém não exagerar para não ficares encolhido embora só com a experiência percebas como te sentes melhor. Eu cheguei à conclusão que me sinto muito melhor tendo encurtado bastante esta distância relativamente ao que usava antes.

Usando a imagem que o SeteGu colocou posso dizer que no caso dos guiadores com elevação conseguem-se variações mais acentuadas tanto no backsweep como no upsweep o que permite mais margem de acerto. No caso dos guiadores rectos, como são mais limitados nesse acerto pode acontecer ter-se que comprar outro com mais backsweep.

Como exemplo das diferenças enormes que podem existir no backsweep dos guiadores planos tens aqui uma imagem. O mais inclinado penso que se chama de Mary Handlebar e chega pelo menos aos 20º e do que me apercebo até é relativamente popular nos EUA. A Answer até lançou um do género especifico para longas distâncias de forma a reduzir o stress físico e o cansaço."



O problema foi resolvido (ainda não totalmente mas julgo que com o tempo e se tiver atenção às costas, manter direitas) com um "simples" rodar do guiador para ficar com a ligeira curvatura que tem para trás (back sweep).
 
#7
Double Post:

A rota nº 1 - À redescoberta de trilhos antigos.

Tal como prometido no Post 1, deixo-vos com o export de Domingo (claro que na minha opinião não é utilizável, tem muitos "becos" sem saída e muita bicicleta às costas) ainda ando a testar estas apps e caminhos portanto, melhores exports hão-de vir no futuro.

Demorei cerca de 1:30 a fazer os 18,83 klm. Isto deve-se a muitas paragens para ver o GPS, pausas para "apreciar" o ambiente envolvente e momentos em que tive de andar com a bicla à mão, enfim, perfeitamente normal.

Link: Aqui

Extenção: 18,83 klm
Inicio e fim no mesmo local? Sim
Altura acumulada subida: 455 metros
Altura acumulada descida: 455 metros
Elevação máx: 532 metros
Elevação min: 421
Velocidade Méd: 10,48 km/h

Horas: 1:47 minutos
Data: 20-04-2016

 
Last edited:
#8
Eu ando a ponderar um guiador Soma Clarence para a minha Mondraker.

É um guiador do tipo Mary como referiste. Tens também o "original" on-one Mary que é ligeiramente mais estreito.

Dado que a minha é uma 26, posso usar esse com uma boa sobre elevação, mas para as 29 já penso ser mais indicado guiadores sem, ou com pouca, sobreelevação, devido à frente naturalmente mais alta...
 
#9
Essa parte dos guiadores, eu mantive o original que vinha com a bike. Não queria estar a gastar mais dinheiro sem ter a certeza que era isso mesmo que precisava (como quero fazer com os pedais de encaixe). Já não sinto tanta dor nos pulsos, ou pelo menos, aguento 1:47h, antes, 10 minutos e já não conseguia de todo andar.

Ora bem, hoje foi dia para um outro pequeno passei a fazer reconhecimento do terreno, a um ritmo mais calmo, tirando um bom bocado do trilho em que tive um cão de porte pequeno atrás de mim. Cansei-me eu mais depressa que ele, mas lá me consegui livrar dele passado 1 a 2 klm's.

Ora a volta de hoje veio inesperada, tanto que, eu quando prevejo dar uma volta faço a minha bomba na noite anterior e na manhã do próprio dia (devia fazer todos dias manha/noite mas pronto...), não uso como desculpa, mas sei que fisicamente conseguia fazer mais, mas pronto pulmões fracotes :D, e já estava de noite e ainda não chegaram as minhas lanternas (estão presas na alfandega) e como não via 1 boi à frente, decidi, dado esses fatores, terminar a volta assim que possível.

O objetivo de hoje era reconhecer algum terreno, principalmente no inicio, que eu já tinha colocado no GPS, e apesar de hoje ter feito uns "cortadas" erradas, já sei por onde tenho de ir. Era também meu objetivo chegar a Torredeita, mas como referido anteriormente, decidi encortar a volta.

Link: AQUI

Extenção: 19,24 klm
Inicio e fim no mesmo local? Sim
Altura acumulada subida: 354 metros
Altura acumulada descida: 427 metros
Elevação máx: 598 metros
Elevação min: 424 metros
Velocidade Méd: 13,11 km/h

Horas: 1:31 minutos
Data: 29-04-2016



Desculpem não haver fotos mas com o entusiasmo até me esqueço de tirar. Vou tentar não esquecer numa próxima
 
Last edited:
#10
Ora cá venho eu fazer um mini update.
Ontem era dia para fazer mais um reconhecimento de terreno para hoje ir com a minha cara metade sem interrupções, mas por fatores de força maior não me foi possível ir.

Hoje vou então fazer esse percurso e tentar recordá-lo de cabeça (já estive a tentar decorar de cabeça).

Entretanto consegui chegar a uma conclusão sobre o fato de eu, na minha última volta ter achado que estava a levar demasiada porrada no lombo, até em buracos pequenos e, muito mais, em zonas de raizes. Pois bem, eu primeiro pensei, bem vou ter de ir ao Sr. para me ver a pressão da suspa que isto está muito duro. Mas ontem à noite apercebi-me do "problema" a seguir uma indicação do caro colega Setegu, bloqueei a suspa e esqueci completamente de a desbloquear, daí levar aquela porrada toda...

Entretanto fiz um update aos posts dos percursos. Incluí a velocidade média do percurso. Não sei se a App tem em conta o tempo que paro para ver o GPS, seja como for, é sempre informação.
 
#11
Mais um update:

Ontem foi dia de ir andar com a cara metade e por minha culpa (mal programado) dei "cabo" dela e do passeio.
Começou com as minhas 3 subidas, delineadas na ultima volta, com alguma parte de mato. Embora eu pensasse o contrário, ela não estava preparada e fez as subidas todas a "pé" idem para o mato.
A ideia era chegar só até Figueiró e voltar para trás, já me dava por contente. Soque, chegado a Figueiró e visto que ela não tinha dado conta, decidi ficar calado e ir até Torredeita. Pois bem, foi quando encontrei uma ponte (cuja foto vou colocar a seguir) em que me borrei todo, tenho medo de alturas... e dava para olhar para baixo e ver a queda que eu ia eventualmente dar... Não tive outra opção (tomates) senão ir a pé.

Chegado a Torredeita e depois de vir o caminho todo a levar nas orelhas, deparei-me com algo que eu nunca tinha visto a não ser nos filmes de cowboys, um Comboio! Não sabia da sua existência sequer! Fiquei fascinado. Sem saber se era permitido, nem tão pouco quis saber, subi logo para dentro da locomotiva e, como um garoto de 10 anos, imaginei-me a conduzir aquele titã.

Bom, conversa da treta à parte, vamos aos "stats"

Link: AQUI

Extenção: 30 klm
Inicio e fim no mesmo local? Sim
Altura acumulada subida: 393 metros
Altura acumulada descida: 393 metros
Elevação máx: 555 metros
Elevação min: 429 metros
Velocidade Méd: 7,40km/h

Horas: 4:01 minutos
Data: 03-05-2016




Sinto-me um gajo cheio de sorte, por ter conseguido encontrar uma paisagem fantástica com um por do sol lindo, tenho pena de ter tirado estas fotos com o TLM e de não ter levado a minha DSLR, quiçá de futuro não volte lá "bem equipado". Tenho mais umas fotos tiradas com a Compaq da miúda que mais tarde irei colocar. Valeu a pena ser massacrado, valeu a pena andar a "empurrá-la" nas subidas. Só tenho pena de não conseguir partilhar com vocês o momento, pois as fotos do tlm não conseguem honrar o momento.
 
#12
Mais um pequeno update.

Na segunda feira fui à loja encomendar uns pedais de encaixe (Shimano SPD, esqueci o raio do nº, mas mais logo, quando tiver a bike e fotos coloco) bem como uns sapatos (da marca Force se não me falha a memória). Preço total ronda os 120€, uma prenda antecipada para mim.

Este domingo num passeio de carro passei por um local fascinante, que eu nunca imaginei que houvesse aqui perto. Tenho fotos, mas de tlm, não devem ter grande interesse. Já ando a planear ir lá de bike quando estiver de férias.

Também nos meus planos, quero acompanhar o Colega SeteGu, de Sta. Comba a Viseu ou vice versa. Portanto, toca a ir treinando para não me saltar os pulmões.
 
#13
Boas malta,

Desculpem a minha ausência, mas, como era de esperar, no primeiro dia em que fui experimentar o raio dos pedais, esbardalhei-me, numa situação muito parva. Houve situações que era necessário tirar os pés dos pedais assim de urgência e consegui sem problemas. Mas, em terreno direito, de alcatrão, a sair da bike, tirei o pé esquerdo, mas a gaja tombou para a direita, não consegui desencaixar a tempo e espatifei-me todo no chão.

Conclusão, fiquei com o travão traseiro a arrastar (ainda não fui à loja, explico mais à frente), joelho, cotovelo esmurrado, e o capacete fez o trabalho dele, tinha dado uma valente marrada no chão.

Depois da queda veio mau tempo, e entretanto já veio bom tempo para andar nela, mas por motivos profissionais não me tem sido possível ir andar (eu gosto de ir de manhã cedo, ao sábado e domingo, ou no final do dia durante a semana) mas como tenho deitado sempre à 1 da manhã e levantado às 5h, chego ao final do dia quero é dormir e, no fim de semana a ultima coisa que me tem apetecido é acordar às 7 para ir dar umas pedaladelas.

Espero em breve ter novidades.
 
#14
Ora hoje é dia de Post. infelizmente não gravei o passeio anterior ao de hoje, mas pronto.

Hoje foi dia de partir as pernas (pelo menos para mim, que nunca fiz tal coisa).
Segundo o Locus Map,
foram quase 1500m de Altura Acumulada,
Velocidade Máxima, 49,1 klm/H
Link

Tive muitas dificuldades a voltar para Viseu (claro, comecei a subir :D,) infelizmente o problema do meu joelho voltou e fui obrigado a parar bastante mais vezes do que as que queria, para alem das pausas para conversar e encher o buxo.
A descer para S. Pedro do Sul o meu Colega emprestou-me a FS dele (roda 26) e adorei aquilo, parecia que ia nas nuvens, comparada com a minha que levava cada cacetada no lombo....Inclusive, a voltar para Viseu, era tanta pancada que já me doia o corpo todo (sou mm um frango).

Sei que o tempo que levei a fazer o percurso foi demasiado grande (cerca de 4h, ao contrario do que o wikiloc considera), mas para mim fazer o que fiz, apesar das 1001 dificuldades que tive, foi uma realização... Lembro que em Viseu está tudo a arder, é fumo por todo lado, eu tenho asma, e tenho um joelho aleijado (uma queda em puto, em que espetei um vidro por ele a dentro).

Amanhã não me consigo mexer, aposto....
 
#15
Pois bem malta, sei que a Qüer ainda está nova, mas como sempre eu gosto de ir pesquisando e vendo o mercado com antecedência e, depois de uma volta com mais "pancada" e de ter experimentado uma FS está na altura de me informar/ver uma FS 29er, a comprar daqui a uns tempos. (deixo já o post feito para ver se a malta mais experiente consegue ajudar).

Penso que já disse isto algures no meu post, eu tenho um problema nas costas (hipercifose dorsal alongada) e um problema em cada joelho (no direito está de certa forma ligado ao problema das costas, faço mais pressão nele por ter as costas semi tortas. O outro joelho, à uns anos a jogar à bola escorreguei e enfiei um vidro pelo gajo a dentro, e um verdadeiro maricas como eu, não fui ao hospital, tirei o vidro eu próprio com uma pinça, e curei-me em casa.... Conclusão fiquei com uma ligeira curvatura para fora e volta e meia dá-me umas dores do diabo.

Motivos do interesse em 29er FS. (SKIP, se não interessa ler um testamento).
-Conforto. Pensei que a HT 29er fosse um bocado mais confortável, o que acontece é que em piso continuo irregular (tipo calçada mal feita, mais precisamente uma antiga linha de comboio, ou piso continuo com muito buraco) as minhas costas/ombros e joelhos ficam desfeitos. Enquanto que na FS roda 26 que eu andei, não senti nada, como eu disse ao meu colega, andava numa nuvem.
-Descida. Eu sei que a malta até consegue descer com uma bike rígida e o caramba, e que sou um cócó para querer uma FS para descer, mas vejamos, eu sempre andei com uma bike rígida, descia coisas que com esta nem me atrevo porque sei que vou mandar ca dentuça ao chão. E porquê? não é por ser HT, mas pela posição, não me dá muita confiança, é uma posição muito para a frente.
-Peso. Outro ponto que a malta vem dizer, ah mas as carbon são mais leves, e se for HT mais leve é (concordo plenamente). Comparando as 2 FS que de seguida vou colocar, são mais leves (ou peso muito perto) da Qüer (que é uma bike 5 estrelas, adoro-a na mesma), com a vantagem de trazer uma "almofada" na traseira.
-E tenho mais motivos mas isto já está a ficar grande.

(Passaste o testamento? -Continua aqui)
Ora, as Opções: Marca, Canyon (mais que decidido, plz não me metam dúvidas na cabeça anunciando outras marcas, plz)
Modelo: Gama Spectral, ou Nerve

Modelo específico, atualmente Nerve AL 9.9 ou Spectral AL 8.9 (no final do mês vêm os novos modelos, pelo que na decisão final terei de aguardar.)

Specs:
Nerve:
Amortecedor: Fox Performance Float DPS
Suspensão: Fox Performance 34 Float 29 120 fit 15QR 1,5T
Desviador Traseiro: Shimano Deore XT Shadow Plus
Desviador Dianteiro: Shimano Deore XT, 11s
Travões: Shimano Deore XT
Cassete: Shimano Deore XT, 11s
Rodas: DT SWISS XM 1501 Spline One
Pneus: Continental Mountain King II 2.4Pedaleira: Shimano Deore XT 11s
Prato: 26/36
Preço desconto (atual): 2199€

Spectral:
Amortecedor: Cane Creek DBLINE
Suspensão: Rochshox Pike RCT3 Solo Air
Desviador Traseiro: Shimano Deore XT Shadow Plus
Desviador Dianteiro: Shimano Deore XT, 11s
Travões: Shimano Deore XT
Cassete: Shimano Deore XT, 11s
Rodas: DT SWISS XM 1700 Spline Two
Pneus: Continental Mountain King II 2.4Pedaleira: Shimano Deore XT 11s
Prato: 26/36
Preço (atual) 2599€

Ora a minha dúvida recai nas rodas, geometria e na suspa/amortecedor. O resto é tudo igual.
A nerve é 120mm de curso e a Spectral 130mm de curso (eu estaria mais inclinado para os 130mm). Não sei se a diferença da suspa/amortecedor é muita, uma vez que são diferentes. E a geometria será que faz muita diferença a subir?
As specs são subjectivas pois com os modelos 2017 que vão ser lançados no final deste mês, tudo pode mudar, ou não... Seja como for, o que acham? Imaginando que os novos modelos vêm com as mesmas specs, o que me podem dizer?

Obrigado em avanço.

Este sábado vai ser dia de dar mais uma voltinha, desta vez vou tentar não esquecer de levar a máquina Fotog. Ando a falhar muito nesse ponto, nem parece de mim
 
#16
Mais uma voltinha. Desta vez o track ficou meio passado, estou a ver se tento resolver o problema.

TRACK: AQUI
Extenção: 51,2 klm
Inicio e fim no mesmo local? Sim
Altura acumulada subida: 809 metros
Altura acumulada descida: 800 metros
Elevação máx: 531 metros
Elevação min: 372 metros
Velocidade Méd: 15.7km/h

Bom, não podia faltar... caí e fod*-me. Como sempre, cai no momento mais parvo... ia a montar a gaja, e ela tombou para o outro lado, com o meu pé agarrado, caí um bocado mal, com as costas no selim (o gajo até fico torto, teve de se ajustar), não sei muito bem como dei cabo do maxilar (até o ouvido me doí), tive uma mariquice no cotovelo e joelho, mas o que ficou mais maltratado foi mesmo as costas. Já tenho marcado na osteopata para amanhã me dar umas valentes pancadas nas costas.

Tirando isso, foi um passeio giro, passei num trilho pela minha segunda vez (onde malhei também e deixei perdida a bolsa do TLM/GPS), desta vez passei com muita mais confiança e velocidade e deu para eu relembrar o quanto gosto disto (sim porque a parte do malhar não gosto e até agora a unica coisa que tinha feito era... malhar).

O percurso teve de sofrer um desvio após o meu percalço, e fomos fazer ciclovia, com uma paragem a meio, para o meu colega fazer uma parte técnica que ele já não fazia a muito tempo e queria ver como estava (sim o meu colega, eu perdi os tomates pelo caminho). De seguida voltámos à ciclovia e siga viagem... Já que ali estávamos eu disse que queria chegar mais longe do que a última vez que ali tinhamos passado (até parada de Gonta). E assim foi, fomos devagarinho (a descer não queriamos estoirar muito, até porque a constipação ainda não me passou).

À vinda para Viseu (subir) a dor no meu rabo era tanta, bem como nas costas que o que eu queria era ir para casa o mais rápido possível e foi dar aos pedais.

Como sempre esqueci a porcaria da Maq. Fotog. mas tirei uma ou outra com o telm.


A Tal descida técnica que ele fez e eu fiquei à espera dele xD.







EDT: Adicionado link para o track e a restante informação em falta
 
Last edited:
#17
Pois bem, venho "desenterrar" o tópico.

Após a minha queda, tive de encostar a bike no canto uns tempos (consegui deslocar 2 vertebras YEYE!!), depois de muitos safanões no osteopata e de algum repouso (e dor), acho que já estou meio apto para me aventurar de novo nestas montadas que já deixam saudades.

Nada melhor que voltar numa altura em que está um frio de rachar canas, aproveitei os Saldos da Decat. para comprar um casaco de jeito e umas calças de running (yep eu sei, coisas diferentes, mas já explico), umas luvas grossas (parecem da neve lol) e uma camisola térmica (o meu conceito térmico é um bocado diferente do que o da Decat.). Ora bem já fui testar o material, mas em caminhada, (sim ando a fazer caminhadas, daí ter comprado calças de running, "dá" para as duas coisas). Segunda feira à noite, estavam segundo o termómetro 2 graus, mas posso dizer que apanhei um frio de morte (entende-se porquê, não estava a puxar pelo coiro, só a caminhar, e levava apenas as calças de running vestidas, as luvas, o casaco de ciclismo e a tal dita camisola térmica).

Prevejo que ao andar na Burrita a coisa fique mais quentinha, mas só vendo. Sábado vou trazer umas fotos (não sei porquê as antigas já desapareceram) do material comprado e da volta, se não morrer congelado.

EDT: ficaram a faltar uns calções, estava a pensar em comprar uns calções bons e usar umas calças por cima, mas não sei até que ponto será boa ideia e não sei quais hei-de comprar, não sei se a malta tem bom feedback dos da decat. com a carneira azul.
 
Last edited:

fabio viana

Well-Known Member
#18
Boas :)

Aqui no norte realmente esta um pouco de frio :D

Eu para este inverno comprei o seguinte:

Camisola, casaco e luvas térmicas da Berg Cycles.

Ficou barato e mantém muito bem a temperatura corporal.

Para os dias de chuva/cinzentos comprei um corta-vento da berg cycles também muito barato.

Se queres andar de bicicleta nos dias de frio/chuva compra umas calças de ciclismo.. porque estar a vestir umas calças por cima dos calções não é a melhor opção.(eu uso umas calças da Berg Cycles que na altura me custaram 20€ acho eu).
 
#19
Ups é gralha, Calças por dentro dos calções... Tipo como se fossem collants. Os que eu tenho, também da Berg, fico com o cu amassado, estava a pensar comprar ou da Decat. Azuis, ou uns de outra marca (não faço ideia) que o valor ronde os 100€ (ouvi dizer que é quando os calções são porreiros). Comprar calças e calções é capaz ficar um bocado dispendioso (2x 100). Se conseguir resolver o problema com calções e calças por baixo (mesmo sendo de running, tipo leggings) ou com Pernitos. Ficava-me mais barato.
 
#20
para o inverno uso um conjunto termico(podes encontrar na seccao de esqui) os calcoes e jersey e uma sweat velha com carapuco(faz de balaclava com o capacete e protege as orelhas e a volta da cara) e uns calcoes velhos a partir dumas calcas(por causa dos bolsos e levar o tlm e as chaves de casa, como ficam muito pra frente nao incomodam como os bolsos normais)
nos pes uso tenis bota normais com a minha compensacao do lado esquerdo

baton do cieiro e creme protector para pele mais exposta ao frio, vaselina ou creme lubrificante ou ate mesmo creme gordo(muito usado pelas gravidas) na virilha porque parecendo que nao, se vais fazer uma volta maior de 40 km, podes sentir desconforto nessa area

casaco corta vento, ou jornal velho por baixo da jersey tambem funciona