Kona Unit 2015

Joseelias

Well-Known Member
#41
Boa sorte e diverte-te! Também fiz no passado uma viagem de três dias sozinho e o mais duro é estar-se... sozinho. Quando se vai a andar não faz diferença, mas nas paragens para alimentação ou repouso ficava com a sensação que depois de fazer o que tinha a fazer, não fazia sentido estar parado, o que não é o ideal para a recuperação. A contemplação tem limites. :)

Claro que hoje em dia com os telemóveis, a Internet, os jogos e os ebooks tudo isso fica muito mais facilitado pois permite muita distracção, mas é algo a ter em consideração. E claro que a minha viagem não foi tão interessante como essa. Só imagino as paisagens espectaculares que verás. A minha foi por estrada (360km), com uma bike ultra carregada no final do verão, que incluiu um sol tórrido nas subidas das serras do Algarve.

Como curiosidade, e porque tens interesse pelas single-speed, no final da minha viagem (feita para assistir ao campeonato nacional de Btt) o então director da revista Bike Magazine ao saber da minha viagem emprestou-me a bike dele para dar umas voltas pelo espaço. Era uma Voodoo espectacular, de cromoly, azul e por sinal uma das primeiras single-speed em Portugal quando essa corrente do Btt começou a dar os primeiros passos a nível internacional.

Valeu pela experiência mas não se aproximará dessa em interesse e motivação.

Espero pelas fotos. :)
 

davidream

Well-Known Member
#42
bOAS!
Estive um bocado indeciso sobre se valia a pena estar a fazer Updates aqui neste Post por esta altura :(.
Todos estamos com a vida de pernas para o ar, com imensa incerteza e medos. As bikes apesar de serem uma das nossas paixões, estão neste momento bem longe das principais preocupações.
No entanto talvez como forma de poder aliviar a consciência (a minha e humildemente, até a vossa!) venho levantar a cortina sobre duas alterações que fiz nos últimos dias pré Estado de Emergência em Portugal.
Ambas tem a ver com a situação de querer adicionar conforto à bicicleta mas sem perder o espírito original da mesma ->Rígida e para Bikepacking.
Para já deixo apenas um pequeno Teaser para atiçar a curiosidade! :p





Palpites para o que alterei e quais as marcas?

Como infelizmente ainda não fiz(não é permitido:() o test-drive na montanha, não vai haver fotos esplendorosas e primeiras impressões sobre as alterações. Assim que possível ponho umas fotos a revelar os dois componentes novos mais em pormenor ;)
Bom fim de semana a todos e protejam-se!!
 

davidream

Well-Known Member
#47
bOAS!

A Kona Unit vem de origem com uma forqueta rígida (Kona P2) que apesar ter algumas boas características de rigidez/conforto para o seu formato, no final do dia é sempre uma forqueta em aço. O que em certas situações(ruas em paralelo) ou descidas rápidas com piso irregular causava um desconforto que limita a condução. É certo que dá fiabilidade para viagens/percursos longos com cargas, mas limita um pouco em certas situações.
Portanto comecei a pensar no que poderia fazer para acrescentar conforto mas sem perder fiabilidade e que estivesse ao alcance da minha carteira.
Encontrei nas pesquisas este site da CarbonCycles a forqueta que procurava! Com tubo 1/1"8 para roda 29, e com uma mistura de alumínio/carbono que me dá algum descanso ( o topo da forqueta e os drop outs são em aluminio).
A juntar a isso um guiador Syntace Vector Carbon com retrocesso de 12º que apareceu num Forum em 2ª mão, que também vai acrescentar! quer por ser em carbono, mas também pelo tal "Bend" de 12º que coloca as mãos numa posição mais natural e confortável(pelo menos assim espero!).
O resultado final.


















Para protecção adicional os componentes levaram película e uma vez no mecânico aproveitei para resolver um stress que me andava a moer a consciênciao_O
Aquando da aventura na Gr36 comecei a notar na roda de trás um ruído estranho como que uma cena solta no próprio aro... percebi logo o que era pois numa outra bicicleta já me tinha acontecido o mesmo (com os aros desta marca NOTUBES).
O que acontece é que uma pequena peça em metal que costuma estar colada na zona de junção dos aros, com a trepidação e pancadas no uso solta-se e começa a andar solta no interior do aro :confused:. Implica retirar a fita tubeless e colar novamente no sitio. Ficou resolvida a situação ;)


Feedback Inicial: Para já o que posso dizer é que notei logo uma enorme diferença de conforto, e dado ter retirado à volta de 500Gr na Bike! nota-se logo ao "sprintar" e ao levantar a frente da Bike nas brincadeiras a rolar à volta de casa.
De negativo notei logo uma flexão maior na forqueta ao travar forte (uso disco de 180 à frente) não numa forma negativa, mas apenas porque não estava habituado.
No guiador ainda vou ter que o rodar para a frente pois parece-me não estar perfeito, e causou-me estranheza nos braços/pulsos. Ainda a ver.
Cumps!!
 
Last edited:

davidream

Well-Known Member
#48
bOAS!
Após um hiato neste tópico( não na Bike ;)) venho deixar um ou outro apontamento a esta montada!

IMG_20200505_154441.jpg

No pós confinamento tenho feito bastantes Km's, quer para aprumar a forma física quer para limpar um pouco a cabeça...
A Kona Unit tem sido uma fiel companheira nesta labuta!
Com a troca da suspensão original (
Kona P2) por esta de carbono, houve uma mudança grande a todos os níveis, adicionando diversão e conforto à bicicleta.
Entretanto levou uma caixa de direcção Ritchey WCS (por troca de uma FSA de esferas o_O) trazendo rigidez e suavidade à frente da Bike.

Tive que trocar também o eixo pedaleiro (Folga lateral e ruídos), acabei por escolher um Shimano Xtr.
A bike está fantástica. Adoro a geometria, e com o conforto adicional dos componentes de carbono colocados tem sido a Bike de escolha nas aventuras de dias inteiros nas serras!
Espero que estejam todos bem e a poder pedalar!!
Cumps
 
Last edited: