Kona Unit 2015

#1
bOM dia!!
Após um período de alguma ausência aqui no Fórum, venho abrir uma nova thread com a minha recente aquisição!
Já há bastante tempo que andava a magicar uma Bike para uma paixão que nestes últimos tempos mais me tem cativado, o Bikepacking.
Esta ideia de fazer aventuras e viagens com o máximo de autonomia, ir conhecer outras paisagens e disfrutar com a Bike... nem vos digo as horas que tenho passado em sites e no Youtube a "viajar" e a magicar já o próximo ano :)
A escolha recaiu na compra de uma Bike em 2ª mão que encaixa como uma luva naquilo que pretendia.
Uma Bike rígida, em aço e com um toque especial (Retro talvez...:rolleyes:).
A
Kona Unit encontrada foi amor á 1ª vista!











como com o antigo dono, estava em SingleSpeed, vou ter que montar uma transmissão (Xt 11v Usada) para já,e para poder andar:D.
No entanto, assim que recebi a Bike já fiz algumas alterações.
Um Selim S
pecialized Phenom Anza Leather e uns punhos Siliconez XL - Supacaz Castanhos



Tendo em conta que saindo em Modo Bikepacking, há a necessidade de transportar sacos e etc, umas grades para a suspensão (rígida) com as abraçadeiras para as prender.






Agora é fazer a montagem da transmissão, uma revisão geral ás rodas e travões, e começar a meter Km's em cima tanto da Bike como das pernas!:p
Para já o look com as alterações.






Um bom ano a todos do Forum e respectivas famílias!!!;)
 

iMiguel

Well-Known Member
#2
Bela máquina!!

Mas... mal pergunte, que mal fez a máquina para ter saído do maravilhoso SingleSpeed e ter agora mudanças? Isso não se faz pa!! eheh


Diverte-te com ela!

Btw, mais um apaixonado pelo Bikepacking! Welcome!
 

iMiguel

Well-Known Member
#5
A bike está top! Que desfrutes dela ao máximo!

O antigo dono devia ter deixado o cog ehehe Enquanto não lhe metes a transmissão, podias andar um pouco com ela em SS, sempre te ias habituando à geometria dela "mais na prática" ;)
 
#6
bOAS!
A Bike este Sábado já levou a transmissão e uma revisão geral.


e no Domingo já deu para saborear uns trilhos!!(Se bem que, não os do tipo que tenho planeado fazer com ela :p, a ideia será mais touring e não XC :D)


Devo breve receber mais uns componentes para aplicar na Bike e já está em preparação no fim de semana pré-Carnaval uma volta até Porto- Finisterra talvez... a ver ;)
Cumps!!
 

Joseelias

Well-Known Member
#7
Muito bom. Só uma bike como essa me faria deixar (talvez) minha Kona Lava Dome de 1996 por uma roda 29. Adorava voltar a andar de forqueta rígida.
 

Joseelias

Well-Known Member
#9
BOA...
PS: por acaso eu não tenho qq tipo de fetiche em andar de rígida...
Acho que vai depender muito do tipo de Btt que fazemos e dos terrenos onde andamos. Claro que alguém que ande com uma FS com 2x160mm não faz sentido passar para uma rígida.

Mas para mim, que comecei numa época onde suspensões era coisa que só se via em revistas andei muito tempo de rígida e esse foi o meu primeiro Btt.

Depois de vários anos a desejar uma suspensão, quando tive uma que até não era nada má foi uma sensação agridoce. Por um lado a minha vida facilitou-se muito com o conforto e o controlo, mas por outro lado o Btt perdeu metade da graça. Tornou-se tudo demasiado fácil. A escolha de linhas e a trialeira reduziram porque passava por cima de tudo sem pensar. E para ter alguma emoção tive que aumentar a velocidade. Isto é, para sentir as mesmas sensações aumentei o perigo... Aí deixei de ver sentido nas suspensões para mim.

Há pouco tempo voltei a experimentar uma rígida total por uns dias e percebi que não era saudosismo. Todas as sensações voltaram. A frente super leve e ágil, as mãos soltas para respeitar a "vontade" da bicicleta (cheguei a falar com ela para a acalmar :D ), o dançar em cima da bike para movimentar o peso e permitir nas descidas que a roda da frente passe por obstáculos sem perder controlo e nas subidas não faça cavalinho ao bater em pedras, raízes e regos.

Por fim há uma espécie de filosofia pessoal. Se o que eu gosto no Btt é o desafio de vencer as dificuldades do terreno porque razão vou alcatifar o percurso com suspensões e transformar tudo numa espécie de estrada?

Peço desculpa ao davidream por tomar de assalto o tópico mas quando vejo bikes destas fico sempre a pensar.
 
Last edited:
#10
bOAS!
Nada a desculpar Joseelias ;) e como compreendo bem o feeling!
De facto quando pensei nesta bike(ou em uma deste género) a principal função seria para as viagens tipo bikepacking que pretendo fazer.
Aí a capacidade de usar o quadro como "mula" de transporte, o poder fazer transportar a bike sem medo de componentes de carbono estragados,e a fiabilidade geral de uma montagem completamente rígida,a mim pareceu-me o ideal.
Claro que depois também temos além da razão,o coração a falar :p e a juntar a estas ideias acima referidas, o poder ter uma bike com um look mais clássico ainda por cima de uma marca tão especial...
Apesar do gozo de alguns colegas no passeio de Domingo :rolleyes: ("eeiii andas agora a puxar aço..." "para isso dava-te uma bike que tenho do Modelo lá em casa..." etc etco_O) andei a manhã toda com um sorriso na cara! pela diversão que a bike proporciona,e pela adaptação que tive que ter na abordagem aos trilhos.Enfim tudo o que nos faz gostar de andar de bicicleta!!
No apurar da 1ª manhã com a Kona:
O pneu frontal Onza Svelt 2.25 quase me matou em várias situações!! tem pouco taco e a juntar á geada do domingo de manhã... Troquei por um Vittoria Barzo 2.25.
A corrente(vinha usada do antigo dono) partiu logo nos 1ºs Km's, vai levar uma outra. (usada que tinha em casa:rolleyes:)
Umas afinações no guiador e no Selim,falta agora voltar a andar e ver como fica.





PS: No fim de semana antes e até ao Carnaval, estava a pensar fazer a 1ª volta em autonomia. A ideia era sair do Porto até Finisterra sempre pela Costa(ou pelo menos o mais possível) juntei 2 tracks(Caminhos S.Tiago pela Costa + Ruta de los Faros) e aquilo deu +- 560Km'so_O o que me parece complicado fazer em Fevereiro junto á costa (ventos/frio/chuva). Vou adiar isso mais para a frente.
Alguém tem uma sugestão do que fazer nessa altura em 3/4 dias?
Cumps!
 
#12
bOAS!
iMiguel sim,2 ou 3x nem sei bem já :p organizada pelo grande amigo João Marujo do clube Almeida Btt. Percorremos grande parte desses trilhos, se bem que numa situação organizada e não em autonomia.Este ano provavelmente em Junho devo lá voltar. Agora na altura do Carnaval...?
 

Joseelias

Well-Known Member
#13
Para se andar com forqueta rígida convém escolher bem o pneu. Um bom balão para ter pressão mais para o baixa e com piso mais agressivo para se agarrar bem e se moldar ao terreno.

De resto há alguma incompreensão em relação às bicicletas de aço. É verdade que a inovação e vanguardismo são uma imagem de marca desde o inicio do Btt ao ponto de terem tido muita influência no conservador mundo da estrada. Bicicletas de carbono, suspensões usadas no Paris-Roubaix e agora amortecedores nos avanços e espigões e zona de selim, geometria compacta, travões de disco, etc., partiu tudo do Btt onde foram testados com base na porrada. :)

Mas o aço continua a ser um excelente material. Simples, duradouro, confortável, acessível no preço e nos dias que correm uma garantia de ter uma bike diferente de toda a gente. É que mais vaidoso que os ciclistas, no mundo do desporto, não há. :D

Para quem não faz competição o aumento de peso em relação ao alumínio e carbono é totalmente irrelevante. Só é pena já não serem feitas ao nível do passado, por questões de regulamentação. Vendi há algum tempo um quadro construido com Tange Prestige/Ritchey Logic que pesava 1699g, e haviam alguns a pesar pouco mais de 1500g. A forqueta de aço Kona Project2 original andava nas 700g.

Estás a montar a bicicleta pela mesma razão que eu quando comprei o quadro da minha. Também na altura optei pelo aço, quando podia ter comprado de alumínio pelo mesmo preço, para realizar viagens. Fiz algumas na nunca tive oportunidade de fazer grandes aventuras. O aço era a hipótese de não partir por fadiga e poder solda-lo em qualquer local remoto.

Quando mencionas a Kona como marca especial, é-o de facto. É a única das marcas antigas a serem ainda propriedade dos fundadores, ao contrário de todas as outras que foram compradas por grandes grupos económicos. E esse quadro é herdeiro directo do design de Joe Murray que revolucionou o design das Btt com a Kona no final dos anos 80. A inclinação do tubo superior (slopping) nas Btt teve origem aí. Bem como as escoras curtas e tubo superior longo. isto é, a base de todas as Btt's modernas e que mesmo quase no ano 2000, marcas como a Scott, Specialized e afins ainda não tinham adoptado totalmente.
 

mack1

Active Member
#16
É mesmo muito bonita e está a ficar melhor, imagino os sorrisos rasgados que essa bicicleta te vai dar, que faças muitos e bons kms com ela.

Ps partilha lá o track dessa voltinha do video :cool::cool:
 
#17
É mesmo muito bonita e está a ficar melhor, imagino os sorrisos rasgados que essa bicicleta te vai dar, que faças muitos e bons kms com ela.

Ps partilha lá o track dessa voltinha do video :cool::cool:
Feito!!
OBS: Mas livrem-se de vir fazer trilhos aqui na zona e não dar toque ;) a dica é extensível a todos :)
 

Attachments

Last edited:
#18
bOAS!
Entretanto já fui recebendo algumas das coisas para as aventuras mais lá para a frente do ano :)










Neste fim de semana foi altura de fazer Km's para algumas afinações a nível de Fit na Bike, e claro começar a divertir-me com o brinquedo novo.


Deu-me uma boa dor de pernas e braços,mas passei um dia fantástico (depois partilho o video ;))
A motoreta no seu estado actual



Cumps
 
#19
@davidream,
Amigo, uma vez que sei que para ti uma vida sem desafios não merece ser vivida :), remeto em baixo dois links de sites que eventualmente apimentarão a tua existência e te farão sonhar ;).
Dá uma vista de olhos :).

http://portugaldivide.com/

O que é?
O “Portugal Divide” consiste na interligação, de bicicleta, ao longo de uma única etapa, do Centro Geodésico e dos Pontos Extremos de Portugal Continental. A rota é livre, podendo o Bikepacker escolher o seu caminho, fazendo-o por terra, asfalto ou um mix de ambos. O PD poderá ser percorrido, em qualquer altura, individualmente ou em grupo, numa “luta contra o tempo” ou no mais puro lazer.
Anualmente, o grande momento, está reservado para a grande partida, em Cevide (o extremo norte), onde um grupo de audazes se encontrará com o propósito comum de completar este desafio, cruzando todos os pontos intermédios estipulados e alcançando o Cabo de Sta. Maria (o extremo sul).

http://www.cyclinportugal.pt/pt

O que é?
Percursos cicláveis e centros CYCLIN' PORTUGAL à DESCOBERTA DOS melhores percursos
DE PORTUGAL.

Claro está que se já conhecias, fica a informação para os outros users que seguem este teu tópico.

Um grande abraço e boas "abenturas",
Alex