Descer descida íngreme

#1
Não sei se estou no lugar indicadao para perguntar, mas aqui vai.

Tentei ir do trabalho para casa de bicicleta e fui a uma página de cálculo de rotas, que me indicou seguir por https://goo.gl/maps/XLEVr5jaRuJ2 que é uma descida íngreme no Bairro da Cassapia da Quinta da Serra, na Rua 20 de Abril do Olival Basto, que até tem um sinal de descida com inclinação de 22%! Acresce ainda que embora seja uma estrada estreita, para passar um carro por outro, a circulação é nos dois sentidos e feita em calçada de paralelo!

Até há várias referências à mesma na cadeia Subidas bem inclinadas doutro fórum:

Pois até ao saír da bicicleta, quase me via a andar aos tombos, de tal declive que aquela rampa tem! E trouxe-a à mão!

Além do mais a terminação no fundo cruza com outra rua apertada com paredes por baixo, onde foi preciso fazer uma curva (com a bicicleta à mão) muito apertada para virar à esquerda!

É demasiado estúpido tentar fazer o trajecto em cima da bicicleta ou têm alguma dicas de como descê-lo em segurança?

Obrigado desde já.
 
Last edited:

romaosl

Active Member
#2
É uma das "alternativas" à Calçada de Carriche, certo? Já andei por aí com uma bicicleta de estrada e é de facto estupidamente inclinado.

O truque para descidas muito íngremes em BTT (que aqui também se deve aplicar) é nunca perder a velocidade totalmente, colocar o rabo atrás do selim e travar o menos possível com a roda da frente.
 
#4
Não dá para tentares uma alternativa dentro dum trajeto parecido? Uma descida assim desgasta bem o material (travões) ou caso decidas ir à rambo por ali abaixo as rodas e o teu corpo todos os dias. Para além do que foi dito fica atento a possiveis imprevistos em que tenhas necessariamente de travar ou mesmo só o reflexo porque sendo empedrado pode ser complicado. De qualquer forma no meu caso preferia sempre ir montado que levá-la à mão.
 
#5
Não dá para tentares uma alternativa dentro dum trajeto parecido? Uma descida assim desgasta bem o material (travões) ou caso decidas ir à rambo por ali abaixo as rodas e o teu corpo todos os dias. Para além do que foi dito fica atento a possiveis imprevistos em que tenhas necessariamente de travar ou mesmo só o reflexo porque sendo empedrado pode ser complicado. De qualquer forma no meu caso preferia sempre ir montado que levá-la à mão.
Queres ganhar uma refeição? Lá naquele fórum deixei uma mensagem https://forum.motorguia.net/road-book/116461-subidas-bem-inclinadas-12.html#post1070303456 a dizer que a pagava a um corajoso maluco que se atrevesse!
 

Pedro Barradas

Well-Known Member
#6
Oh porra... mas qual a dificuldade daquelas descidas!!!? só se o piso estiver molhado.. de resto ... não tem dificuldade alguma... para alguém com o mínimo de experiencia e bike de BTT...
Para subir será igual.. haja pernas... e tecnica para não derrapar ;)
 

Pedro Barradas

Well-Known Member
#7
Assim , mesmo inclinada que fiz a subir de cubos de granito, foi em São Bartolomeu do Outeiro, Concelho de Viana do alentejo. Um horror e comprida.. aqui ainda não era o fim.. agora virava para a e ainda subia para o topo da colina/ deposito de agua... ( 10ª Maratona de Aguiar - 2018)
 

Hardskin

Well-Known Member
#9
Não querendo estar a subestimar a situação e o interveniente, acho que necessitas é mudar a tua atitude. A inclinação da descida não é nada de extraordinário mas o piso poderá ser um bocado manhoso quando molhado. O que eu faria no teu caso é encarar com confiança e com uma postura relaxada do corpo. A principal regra numa descida é ter em conta que o controle está na roda da frente e respectivo travão e nunca na roda e travão traseiro. Dosear os dois travões de forma a que nunca derrapes a roda de trás mantendo uma velocidade constante. Podes deixar embalar mas tens de ter cuidado em travar primeiro com o da frente e doseares com o de trás. A postura corporal será, os dois pedais ao mesmo nível, biqueira do pé para cima, manteres o centro de gravidade o mais baixo possível, baixando o tronco afastando os braços relaxadamente. Esta não é uma situação em que se puxe o traseiro para trás do selim porque a inclinação, a tecnicidade e o relevo do percurso não o exige. Aqui importa evitar que a frente fique demasiado solta e descontrolada. Mais peso em cima de uma roda significa mais poder de travagem na mesma e numa descida como esta, isso traduz-se em mais aderência na roda da frente e mais derrapagem na roda traseira. Corpo relaxado, confiança e força nisso. :cool:
 
Last edited:

elvales

Active Member
#11
Não querendo estar a subestimar a situação e o interveniente, acho que necessitas é mudar a tua atitude. A inclinação da descida não é nada de extraordinário mas o piso poderá ser um bocado manhoso quando molhado. O que eu faria no teu caso é encarar com confiança e com uma postura relaxada do corpo. A principal regra numa descida é ter em conta que o controle está na roda da frente e respectivo travão e nunca na roda e travão traseiro. Dosear os dois travões de forma a que nunca derrapes a roda de trás mantendo uma velocidade constante. Podes deixar embalar mas tens de ter cuidado em travar primeiro com o da frente e doseares com o de trás. A postura corporal será, os dois pedais paralelos ao solo, biqueira do pé para cima, manteres o centro de gravidade o mais baixo possível, baixando o tronco afastando os braços relaxadamente. Esta não é uma situação em que se puxe o traseiro para trás do selim porque a inclinação, a tecnicidade e o relevo do percurso não o exige. Aqui importa evitar que a frente fique demasiado solta e descontrolada. Mais peso em cima de uma roda significa mais poder de travagem na mesma e numa descida como esta, isso traduz-se em mais aderência na roda da frente e mais derrapagem na roda traseira. Corpo relaxado, confiança e força nisso. :cool:
Bem dito. Controlar tudo e evitar de virar o "barco" por excesso de pressão no travão da frente , reside aí o segredo. Vai praticando ;)
 

Joseelias

Well-Known Member
#12
Essencialmente é fazer a descida várias vezes, e cada vez te vai parecer mais fácil.
E depois de se fazer várias vezes e passar a parecer fácil, é fundamental não passar para a atitude oposta e começar a fazer descidas que podem ser perigosas com excesso de confiança que levam a distracções e a acidentes.

Uma boa parte dos malhos que por vezes damos é em locais que até já fazemos de olhos fechados. Até ao dia em que parece que estavamos mesmo de olhos fechados e nos lembramos que convém manter pelo menos um aberto. :p
 
#13
Não dá para tentares uma alternativa dentro dum trajeto parecido? Uma descida assim desgasta bem o material (travões) ou caso decidas ir à rambo por ali abaixo as rodas e o teu corpo todos os dias. Para além do que foi dito fica atento a possiveis imprevistos em que tenhas necessariamente de travar ou mesmo só o reflexo porque sendo empedrado pode ser complicado. De qualquer forma no meu caso preferia sempre ir montado que levá-la à mão.
Alternativas decentes queria eu ter! A que eu falei é já a alternativa à Calçade de Carriche, onde é um acto SUICIDA lá passar de bicicleta:

- https://forum.mubi.pt/t/barra-de-ci...-descida-da-ciclovia-da-rua-das-murtas/6399/3

- https://forum.mubi.pt/t/odivelas-cidade-europeia-do-desporto/6220

Até aqui no fórum já alguém manifestou a opinião que é na Calçada de Carriche que é o local mais prioritário de Lisboa para se fazer uma Ciclovia: http://forumbtt.net/index.php?threa...ciclável-odivelas-lisboa.147208/#post-1237315
 
#14
Prática, uma boa suspensão e conduzir de forma intuitiva ajudam muito. O travão da frente é para abrandar a bike, o de trás é para a manter no chão, como já alguém disse aí atrás. Devagar dá para descer inclinações bastante acentuadas, mas é preciso ter alguma confiança no que se está a fazer.
Infelizmente o meu problema são as subidas :)
Quanto mais ando de bike mais me apercebo de que mais do que técnica e afins, é pedalar e pedalar que intuitivamente conseguimos fazer muito.