Cubos e eixos excêntricos - Dúvidas de principiante

Pax

New Member
#1
Boas malta!

Gostaria que me esclarecessem algumas dúvidas relativas a cubos excêntricos:

- Como funciona o mecanismo que estica a corrente?

- Um quadro com ponteiras "normais" suporta este tipo de eixos?

- Onde comprar? (Já procurei em diversos sites e a oferta não é muita ou então é algo cara. Se calhar tenho andado à procura nos sites errados... :mrgreen:)
 
#2
Re: Cubos Excêntricos - Dúvidas de principiante

Boas
O mecanismo é muito simples: é um cubo normal, em que o eixo esta descentrado. Assim, ao rodares o corpo do cubo nas ponteiras, vais estar a afastar ou aproximar o cubo em si do pedaleiro, conferindo tensao à corrente. A intençao é mesmo de ser montado em quadros com ponteiras normais. O unico cubo assim que conheço é o White Industries Eno, que é bastante caro. Para comprar na europa recomendo o singlespeed.nl, mas mesmo ai fica por mais de 200€.
:D
 

Pax

New Member
#3
Re: Cubos Excêntricos - Dúvidas de principiante

Então o que impede que o cubo rode sobre o seu eixo descentrado quando pedalamos é apenas os parafusos que o apertam ao quadro, certo?
 
#6
Re: Cubos Excêntricos - Dúvidas de principiante

Boas,

Uma vez que vais usar discos, se optares por esta via não te esqueças que vais também precisar de uns apoios de disco com parafusos excêntricos para alinhar os bombites com o disco.



Na minha opinião isto começa a ser confusão a mais... :) Nada como um quadro próprio para singlespeed com ponteiras deslizantes.

Um pouco mais barato que o cubo ENO é o sistema da TrickStuff, no qual um eixo pedaleiro com rolamentos externos é transformado num eixo excêntrico.

http://www.trickstuff.de/index.php?p=d116en1
 
#7
Re: Cubos Excêntricos - Dúvidas de principiante

Aproveitando o desenrolar deste tópico, lá venho eu com mais uma dúvida de novato nestas lides de SS:


Eixos excêntricos:
- Como funcionam?

- Qual a manutenção necessária?

- Dá para aplicar um eixo pedaleiro qualquer ou tem que ser algum específico?

Tudo isto porque vi este quadro e fiquei bastante "interessado" neste mecanismo:






Aproveitei e alterei também o título do tópico para se tornar mais abrangente.
 
#8
O eixos pedaleiros excentricos (EBB) sao montados em quadros especificos. Funcionam rodando sobre si mesmos, alterando desta forma a distancia do eixo pedaleiro ao cubo traseiro, dando assim tensao à corrente. Precisam de por vezes ser retirados do quadro, para serem limpos e lubrificados. Alguns modelos de menos qualidade têm tendencia a rodar sob esforço, nao mantendo assim a tensao, ou em casos extremos a sairem do quadro. A principal desvantegem para alem da fiabilidade é o facto de alteratem a distancia do eixo pedaleiro ao selim, pelo que poderao ser precisos alguns ajustes à altura do ultimo quando regulas a tensao da corrente.
:wink:
 
#11
Eu também sou da opinião que os sliders são a melhor opção e foi essa uma das razões pelas quais optei pelo meu quadro actual. A principal vantagem dos sliders é mesmo a facilidade de ajuste, especialmente com os parafusos de afinação. Nunca tive a oportunidade de utilizar um eixo excêntrico mas pelo que li, percebi que o seu ajuste é mais delicado.

O problema dos mecanismos excêntricos é que o seu bloqueio rotacional é extremamente complexo. Digo isto porque perdi cerca de 6 meses a desenhar um sistema completo de excêntrico para o eixo pedaleiro que funcionasse em quadros normais e apercebi-me das elevadas dificuldade que existem nesta configuração. O meu sistema de referência era o TrickStuff Excentriker, o tal que substitui um eixo de rolamentos externos e coloca lá uma versão externa de um eixo excêntrico.



Ora, o Excentriker é uma peça muito interessante mas peca em 4 aspectos. O primeiro é o preço, resultado das toneladas de trabalho CNC e do mercado de venda pequeno. O segundo é o facto de requerer cranques modificados porque os parafusos da "avozinha" interferem com o mecanismo de excêntrico. O terceiro defeito é o mecanismo de bloqueio de rotação, o qual me parece manifestamente pouco robusto. O quarto defeito é amplitude de ajuste, cerca de 7 mm, a qual não permite acomodar todas as relações de mudanças.

Face a isto, decidi deitar as mãos à obra e perceber se era possível contornar alguma destas limitações e chegar a alguma solução mais elegante. Durante este processo aprendi mesmo muita coisa sobre mecanismos de ajuste excêntricos. A primeira coisa que estudei foi o mecanismo de bloqueio do Excentriker. Este mecanismo é muito diferente dos mecanismos usados nos eixos pedaleiros excêntricos standard, os tais que estão no quadro Singular que o Pax mostra. Estes mecanismo são relativamente antigos e existem em várias configurações:

Excêntrico simples


Este é o sistema mais básico. É um cilindro de metal maquinado, com um furo descentrado que roda dentro de um tubo do quadro. O tubo do quadro tem um ranhura que é fechada por dois parafusos. Ao apertar os parafusos o diâmetro do tubo fica mais pequeno e o excêntrico é preso na posição pretendida. Simples mas têm os seus problemas. A pressão não é bem distribuída ao longo da circunferência porque o metal se deforma. Pior ainda, podemos danificar o quadro permanentemente porque os parafusos exercem uma força localizada muito elevada. Esta força conjugada com as torções normais na zona do pedaleiro pode ovalizar o tubo do quadro. Isto leva a folgas e ruídos.

Excêntrico com cunha


Esta solução de cunha é bastante elegante porque não requer parafusos no quadro. Basta um tubo com o diâmetro correcto. Ao rodar o parafuso, uma cunha sobe ligeiramente pelo resto do excêntrico e empurra-o firmemente contra o quadro. É exactamente o mesmo principio dos avanços de bicicletas antigas. Aqui as pressões são melhor distribuídas porque a área de contacto é maior e o parafuso não actua directamente sobre o metal do quadro. Este sistema é no entanto volumoso e pesado, porque requer uma área de contacto grande para funcionar de maneira eficaz.

Excêntrico bi-partido com cunha dupla


Esta solução de cunha dupla interna é a mais moderna. Neste caso, o cilindro do excêntrico é separado em duas partes distintas que são empurradas contra o quadro por duas cunhas opostas, montadas em parafusos. É de longe a melhor solução porque todo o excêntrico é usado para fazer pressão contra o quadro e a simetria das cunhas assegura que a pressão é bem distribuída.

No caso do Excentriker, um sistema deste tipo tem que ser integrado na mesma largura que a Shimano destinou aos rolamentos de pedaleiros externos: 10.5 mm. Esta largura impede completamente uma solução com cunhas porque as áreas de contacto são ridiculamente pequenas e para meter sequer os parafusos de ajuste, eles teriam que ser estupidamente pequenos e incapazes de transmitir forças úteis.

O Excentriker usa então uma solução diferente destas que apresentei acima. Usa um pino metálico que faz pressão contra o disco rotativo onde está o excêntrico. Fiz aqui um desenho rápido desse mecanismo:



Deste modo o bloqueio é feito de forma compacta e mantendo a largura abaixo dos 10.5 mm. O problema deste sistema é que para haver bloqueio efectivo no contacto entre duas peças cilíndricas as forças de contacto têm mesmo que ser elevadas, porque existe a têndencia natural de haver rolamento entre as duas superfícies. O parafuso que usam parece-me muito pequeno para isto e à medida que as peças se vão degastando é possível que seja incapaz de bloquear sem usar binários elevadíssimos.

Eu nas minhas brincadeiras cheguei a uma solução que usa apenas um parafuso externo para unir duas partes de um excêntrico ranhurado a meio. De certa forma aproxima-se à primeira solução que apresentei para os eixos excêntricos "standard", com os seus inconvenientes. No entanto esta é a forma que me parece dar mais garantias de bloqueio uma vez que é impossível montar cunhas num espaço tão reduzido.







Mesmo assim nunca fiquei convencido que fosse uma solução realmente útil e em vez de passar à produção de algo tão pouco convencional decidi investir num bom sistema de ponteiras deslizantes. No entanto, se alguém tiver uma maquina CNC em casa e tempo livre é só falar comigo que arranjo os projectos. :mrgreen:

Depois de tanto texto :oops: , posso então dar algumas conclusões. A primeira é que os eixos excêntricos normais (internos) são uma boa solução, especialmente usando o sistema de cunha dupla fabricado pela Bushnell. A segunda é que os eixos pedaleiro excêntricos externos são demasiados limitados e caros para uma utilização prática. A terceira conclusão é que os dropouts deslizantes são uma solução muito mais "limpa" que qualquer outra alternativa, especialmente a versão fabricada pela Paragon Machine Works. Sei que quando for grande vou ter um quadro com uma coisa destas:

 
#13
O "pingarelho" da Trickstuff custa quase tanto como um quadro de ponteiras horizontais.

Pax, vai vendo também a loja do Charlie, que costuma ter os cubos Eno por cerca de 170€, e além de outro material interessante tem os "half-link", os meios elos bons para resolver problemas com a corrente em quadros normais.

AQUI

:wink:
 
#15
Re: Cubos e eixos excêntricos - Dúvidas de principiante

E cá está no mercado outra alternativa ao Excentriker.

http://www.forwardcomponents.blogspot.com/



A solução deles é simplesmente prender a parte rotativa que contém os rolamentos com parafusos pequenos.

Curiosamente, cheguei a desenhar algo muito semelhante mas desisti dessa ideia porque os parafusos aguentam muito pouco binário e a ponta danifica/marca a parte rotativa.  :-K

Se o sistema deles realmente funciona é uma alternativa mais barata ao Excentriker, por 99 €.
 
#16
Boa noite

Por estarem a falar de cubos e eixos excêntricos, comecei esta semana a fazer a minha SS com um quadro TOMAZZINI de ponteiras deslizantes, que é um óptimo sistema para ajustar a corrente, já tenho um cubo NOVATEC de trás para SS e disco, sou novo aqui no forum mas quando tiver algumas fotos mostro. Queria montar a bicicleta com um peso interessante, agradecia a vossa ajuda para isso.

Pedro Santos
 
#19
desculpem lá

Será que ser familiar dos irmãos teixeira da Tomazzini é crime? ou será que ninguem pode ter bicicletas nacionais ou da Tomazzini, é pena que com algumas mentalidades o nosso pais tenha andado para trás e não para a frente! Trabalho numa fábrica de moldes na Marinha Grande e tudo o que fazemos é para a industria automovél e aeronautica, claro que sempre com outras marcas, mas quando alguem faz alguma coisa diferente á sempre alguem a criticar, se fosse uma marca estrangeira se calhar já não mandavam bocas, mas como é não deve prestar!
Se fôr proibido falar destas marcas digam-me alguma coisa, pois sou novo aqui, caso contrário era bom que mandassem bocas mas construtivas, pois 1º sistema de 10V para montanha foi feito na Marinha Grande e quadros com dropouts deslizantes também. Se calhar tenho de falar com eles para mudar o nome da marca.

Cumprimentos a todos os que gostam de bicicletas

Pedro Santos