[Análise/Teste] RCZ Race White

#83
Boas!
A RCZ está muito fixe agora com a SID e o selim decapado, como o Ricardo diz "muito racing" :mrgreen:
A ver se nestes dias dá para a malta dar uma volta, como o guerras disse. :wink:
 
#84
Fica uma foto da RCZ após a voltinha de hoje com o nrdesigns, xbiker e guerras..





Pontos negativos para o desviador da frente..


Só na volta de hoje a corrente caiu umas 4/5 vezes para o lado dos cranks. Já me tinha acontecido uma ou duas vezes de vez em quando, mas hoje foi demais.. Afinar melhor o desviador não dá, se o coloco mais para baixo, a parte inferior da caixa bate na escora, se reduzo a "abertura" do desviador, na relação 2x9, a corrente roça na caixa do desviador... Acho que caso isto continue, colocar-lhe-ei um pequeno bash...

Abraço
 
#85
Foi uma volta agradável por trilhos que dão gosto andar neles.
Já sabes Ivo quando quizeres esticar as pernas e só dizeres, que é sempre um prazer "desbravar" trilhos ctg e com a tua grande Rcz ;D
cumps
 
#87
Oh amigo Kamões, está lá descansado, fazes-me companhia. :wink:

Mas foi uma volta muito porreira, por trilhos que já não fazia à algum tempo. Mas foi um valente empeno. Cerca de 60km's com média de 17 ou lá o que foi, vai lá vai. :S
 
#89
Update

Após algum tempo sem escrever aqui nada, pois a bicicleta só tem uma ou duas coisitas novas, deixo o estado actual da mesma..



A transmissão está para a hora da morte. A roldana de baixo já não tem dentes, se fizer alguma força a pedalar a corrente acaba por saltar, principalmente nas relações mais pesadas. No entanto permanecerá na bicicleta até me deixar a pé. Espero que seja perto de casa..

De novo tem o selim, Selle Italia SLR TLD Phobia, e os pneus, um Maxxis Crossmark na medida 2.25 à frente e um Continental Race King 2.0, que já rolam desde Setembro. No entanto meti-me a inventar de volta da bicicleta e tirei as câmaras de ar. Comprei umas bisnagas de Notubes, aproveitei parte do rolo de duck tape que por aqui andava e arranjei umas válvulas shrader que tinham o corpo todo em rosca.

O pneu da frente foi fácil de converter. Foi só colocar a fita meter o pneu, notubes e compressor no máxmo. Já o pneu de trás quase que fiz o pino para o
montar. Mas após algum tempo de luta lá o consegui montar. Depois foi só agitar para ver se aquilo selava e rolar.

Diferenças no rolar? Não notei. Noto só que toda a bicicleta está mais leve, de resto nada de mais..

Se recomendo? Não tenho tido problemas, após algum andamento mais hardcore(uns dropzitos e tal, mesmo com forqueta) eles têm-se aguentado. No entanto a curvar, em relevés, por exemplo, onde faço mais força sobre a roda traseira, noto que o pneu de trás perde facilmente algum ar, nada de mais.. Uso uma pressão de 30 psi's na frente e 35 psi's na roda de trás.




(A válvula..)


(Método arcaico e não recomendável..)

Quanto ao selim, comprei-o pelo preço, e porque o bocado de plástico que lá andava partiu, ou melhor parti-o, caí. Quanto ao conforto, e após alguns quilómetros tenho a dizer que ainda me estou a habituar ao mesmo...

Chiça.. o bocado de plástico é mesmo confortável.. eheh



De resto nada a apontar.. tudo ok!



Abraço
 
#91
Algumas novidades

A transmissão não me deixou a pé, mas também não me permitia fazer muitos mais quilómetros. A bicicleta foi toda desmontada para uma limpeza a fundo, mas mesmo a fundo..



Comecei pela Marzocchi, que há muito me chateava a cabeça, pois o rebound não funcionava.





O que acontecia era que aquela pequena peça de alumínio estava bem presa no fundo da peça de plástico, ou seja, na posição mais lenta do rebound, tapando assim o orifico de passagem do óleo. Deu alguma luta, mas após algumas tentativas e uma ferramenta improvisada lá saiu. O rebound já completo.



De seguida passei à Sid. Pouco andou, mas tinha algum receio de danificar a suspensão com o uso. Troquei-lhe apenas o óleo, e o que lá estava ainda tinha a sua cor original, bem como as esponjas que estavam em bom estado. Coloquei-lhe óleo "fresco" de motor de carro, 100% sintético 10w40.



Quanto ao funcionamento, suaaave..

Retirei os pneus, para verificar o líquido dentro dos mesmos, mas rapidamente me apercebi que não tinham líquido.. fixe.



Coloquei uma bisnaga e meia em cada pneu e siga. Como andei algum tempo com outra bicicleta, com câmaras de ar, notei alguma diferença quando passei para esta, mais conforto. Para "variar", o pneu detrás foi um quebra-cabeças para converter..

Abri o cepo das mavic para ver o estado dos linguetes. Havia um pouco de desgaste, mas nada de grave. Estavam completamente secos, e coloquei-lhe um pouco de massa. Parece uma bike ninja, não faz barulho nenhum.



Quanto à transmissão, troquei a cassete, corrente, roldanas, e prato de 36T. Entrou uma PG 950 11-28, uma corrente Deore, roldanas Tacx e um prato Truvativ 36T. Optei por uma cassete 11-28, não só pelo preço, mas também pela curiosidade de experimentar a mesma.
Vamos ver a compatibilidade da mesma com o cepo...

A corrente chega e sobra, e o prato Truvativ permite passagens suaves, nada a apontar.





Troquei também o eixo pedaleiro, pois os rolamentos estavam gripados, até já tinha sido abertos há tempo.





Só se trocam uns SPD, por outros SPD. Como precisei dos outros para uma outra bicicleta, comprei estes para esta. Nada a dizer..



Ivo
 
#93
Digamos que está menos desconfortável :lol: (já dá para fazer 50 kms)

Ah, troquei a posição do espigão de selim, pois montei uma outra bicicleta e como estou a usar uma e outra não sofro tanto com a transição de uma para a outra. Além disso, como já montei a bicicleta há algum tempo estou um pouco mais alto.
 

SeteGu

Active Member
#94
Grande revisão Ivo!

Cassete 11-28 ainda para mais com apenas dois pratos à frente não é "curto"?

Abraço!
Filipe (eng. materiais xP)
 
#96
Filipe, curto só a subir :mrgreen: A rolar não esgoto, só a descer em estradão.

Quanto à massa penso que a razão pela qual o manual refere isso, é que se colocar massa em excesso a mesma faz com que os linguetes fiquem presos, mas se for pouca não deve haver muito problema, pelo menos comigo não há problema..

Ivo
 
#99
Grande revisão, isso é que é tempo disponivel e vontade!
Pela posição do selim, devias optar por 1 espigão recto para centrares os carris do selim no mesmo.
 
Sim, pela posição do selim, um espigão recto seria mais indicado, mas este vai dando.

Já tenho a bicicleta há 3 anos, e até agora so far, so good... Montar e esquecer. Ficam algumas fotos:









Experimentei umas fitas de guiador reles que andavam aqui por casa durante uns tempos e não gostei. Voltaram os restos de Esi Grips que andavam perdidos..

Quanto à relação 11-28, para quem não tem uma forma por aí além, e com 26-36 à frente por vezes é penoso...

O selim é uma autêntica tábua...

O tubeless caseiro tem-se aguentado, e ainda não fui com os quiexos ao chão..




O quadro dos "chineses" tem-se estado à altura dos (poucos) desafios.

Abraço
Ivo